You are here: Home Notícias 2013 12 20 BRASIL QUER CAÇA EMPRESTADO PARA EVITAR FALHA NA DEFESA
 
Document Actions

BRASIL QUER CAÇA EMPRESTADO PARA EVITAR FALHA NA DEFESA

SUÉCIA NEGOCIA EMPRESTAR CAÇAS USADOS AO BRASIL ENQUANTO NÃO ENTREGA OS NOVOS
Autor(es): Tânia Monteiro
O Estado de S. Paulo - 20/12/2013
 

 

Doze aviões Gripen de geração anterior à dos comprados da Suécia seriam usados até pelo menos 2018

Os governos brasileiro e sueco negociam o arrendamento de 12 caças Gri-pen C/D para fazer a defesa aérea do Brasil durante os quatro anos em que os jatos de nova geração comprados na quarta-feira estiverem na linha de produção, informa Tânia Monteiro. A oferta havia sido feita pelo governo sueco durante o processo de escolha dos aviões, informou o comandante da Aeronáutica, Juniti Saito. O valor da compra dos 36 caças Gripen NG será de US$ 4,5 bilhões, mas o leasing do modelo C/D será negociado separadamente. O arrendamento será feito em razão da desativação dos caças Mirage 2000, no dia 31. Com isso, o País contará apenas com os F-5M, de desempenho menor, na defesa do espaço aéreo de Brasília. Quando os NG chegarem, a partir de 2018, os C/D serão devolvidos.

 

 

Defesa. Plano é que país europeu envie 12 unidades de modelo C/D já em 2015 para que sejam usadas pelo menos até 2018, quando os primeiros Gripen NG devem ficar prontos; acordo exigirá gasto além dos US$ 4,5 bilhões previstos para a compra das aeronaves.


Os governos brasileiro e sueco estão negociando o arrendamento de ao menos 12 caças Gripen do modelo C/D, que hoje operam em vários países da Europa, para fazer a defesa aérea do Brasil nos quatro anos em que os aviões da nova geração, o Gripen NG, estiverem na linha de produção.

A oferta já havia sido feita pelo governo sueco durante o processo de escolha dos caças e será rediscutida na negociação do contrato. A vinda destes 12 aviões para suprir a falta de aeronaves com esse perfil até 2018, quando os primeiros Gripen NG devem ser entregues. O "aluguel" das aeronaves usadas exigirá que a Força Aérea Brasileira (FAB) pague valores extras aos suecos, além dos já programados US$ 4,5 bilhões pela compra dos 36 caças novos.

Parte do gasto extra poderá ser compensada pela desativação do caça Mirage 2000, que deixa de voar em 31 de dezembro - sua hora de voo custa cerca de três vezes mais que a do avião sueco.

A Força Aérea vai trabalhar para que estas 12 unidades do Gripen G/D cheguem ao Brasil em meados de 2015, cerca de seis meses após o fechamento do contrato. No período, os pilotos e mecânicos brasileiros serão treinados nos aviões que irão voar. Segundo a FAB, esta capacitação j á reduzirá o tempo de adaptação deles aos novos modelos, quando o Gripen NG estiver disponível. Este procedimento é normal em operações de compra de caças.

A Força Aérea sueca já tem um tipo de leasing, por exemplo, com países como a República Tcheca e a Tailândia, exatamente para "tapar o buraco" entre o fechamento do contrato e a entrega.

Transição. Quando os modelos NG chegarem ao Brasil em 2018, os G/D serão devolvidos à Suécia, cumprindo um período de transição. Embora o governo diga que a negociação para assinatura do contrato vá levar de oito a 12 meses, a Força Aérea prevê que a conclusão das negociações possa ocorrer em até sete meses, o que adiantaria todo o cronograma de entrega de aeronaves.

Uma nova fábrica da sueca Saab será aberta em São Bernardo do Gampo, próximo ao Rodoanel, para produzir a estrutura dos caças, como,a asa, e seus componentes. A integração, porém, ficará a cargo da Embraer.

O prefeito de São Bernardo do campo, Luiz Marinho (PT), disse ontem que a Saab, empresa que fabrica os Gripen, deu "mais passos" em direção à transferência de tecnologia mesmo antes da decisão da presidente Dilma Rousseff. Em maio de 2011, por exemplo, a empresa abriu um Centro de Pesquisa e Inovação Sueco-Brasileiro na cidade do Grande ABC.

Marinho também disse que a empresa sueca vai construir sua fábrica em São Bernardo num prazo de dois anos. Ele confirmou que houve incentivo fiscal para a atração da empresa, mas não disse de quanto. "Toda empresa que vem para cá tem incentivo. Não há nenhum privilégio nisso", afirmou o prefeito.

Preferido. O modelo da aeronave sueca era o preferido pelos oficiais porque permite desenvolvimento em parceria, facilitando a absorção de tecnologia - os concorrentes americano e francês foram derrotados no processo de escolha dos caças, que se estende há cerca de duas décadas.

Colocações. Apesar de o governo não revelar oficialmente a pontuação obtida pelos três concorrentes, o segundo colocado foi o modelo americano da Boeing, F-18e o terceiro, o francês Rafale, da Dassault.

Durante o processo, a FAB conseguiu negociar e reduzir os preços dos três proponentes.
O sueco fechou em US$ 4,5 bilhões, o americano em US$ 5.5 bilhões e o francês em US$
6.5 bilhões. Com a compra dos aviões foi acordado ainda um pacote logístico que garantirá suprimento, manutenção e treinamento de pessoal. Também está incluída nesse pacote a aquisição de 15 motores sobressalentes. Isso permite que o avião, durante período de manutenção dos motores, não precise ficar parado. / Colaborou Vera Rosa

July 2014
Su Mo Tu We Th Fr Sa
1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31